domingo, 22 de junho de 2014



Sob o sol dos poetas seus olhos se encontraram
Oásis como presente no deserto dos penitentes
Chuva de alegria, ainda contida no beiral da euforia,
Despertando botões dessecados por tornados e maresias...


Autoria: RozeMeire dos Reis

Amor feminino


Há saudades que são nostalgias
De algo não vivido. São tristes.
Há saudades que não são vazias
Como o CD do Sinatra,
Ainda sobre o aparador:
Cheia de alegrias, cheiros,
Imagens, palavras...
Flores, velas, jantar,
Toques, risos, dança
Saudades com alegria
Brilhos nos olhos que denunciam
Que o amor ainda está lá.


O tempo passou pela nossa pele
Não somos os mesmos de dez anos atrás
Mas ainda somos nós...
Desejo e amor, entre alegrias e alguma dor
É porque há um amor feminino:
Incansável! 
Mesmo quando se cansa,
Descansa e prossegue...
O tempo não o esgota,
Apenas  transforma
Num diferente ardor
E, por não saber outro nome,
Ainda chama-se, amor!

Autoria: RozeMeire dos Reis

Noivas de Maio


Maio chega com rajadas de ventos
desfolhando flores,
enfeitando as cidades,
fertilizando os campos,
balançando lembranças caídas
dos galhos da infância.

Houve um tempo em que maio
era o mês dos sonhos,
dos enlaces jurados,
de amor eterno,
de abençoados cuidados,
um caminho ditado para a tal felicidade!

As noivas de maio anunciavam-se,
embevecidas como a brisa das manhãs,
em seus vestidos brancos de caudas esvoaçantes
e cascatas de véus deslumbrantes:
estandartes da virtude guardada,
escondendo o medo em sorrisos tensos -
Seria doce prisão ou suave liberdade?

Houve um tempo em que esses sonhos
eram pacientemente bordados
em lençóis de seda e em jogos de cambraia,
no preparo da mesa , no enfeite da casa
a mostrar que a moça valia bem mais
que o dom do seu nome
e do que o peso dos seus dotes.

Houve um tempo em que, no cair do dia,
as meninas ouviam avós doces, suspirosas,
narrando as agruras do amor platônico
das noivas roubadas por príncipes encantados,
das que eram abandonadas e enlouqueciam,
virando fantasmas nas madrugadas...

As noivas mudaram,
mas ainda sonham com a alegoria
dos vestidos e véus
que agora comportam todas as cores
revestindo o sonho secular
em que o amor quer,
de dois, fazer um!

Maio se vai sem glamour.
Dezembro tomou seu lugar.
A fantasia atravessa fronteiras às pressas
e presa do desejo sem cais,
entre um e outro dia,
um mesmo casal se faz,
se desfaz e se refaz!

Contemplando as flores de maio
caídas dos amores formais e informais,
a poeta se pergunta:
felizes somos nós ou felizes eram as nossas avós?

Autoria: RozeMeire dos Reis

Marcas






A alegria, tímida
Encontra um caminho
Desliza mansinha
Como a garoa que cai
No vão de um abraço

O abraço deixa  seu traço
No brilho dos olhos
No cheiro da pele
Na lágrima que cai
No vão da saudade

A saudade deixa sua cor
Arco-íris, cinzas sobre tom
No espaço de um amor
Que o sonho embotou
No vão de uma vida

A vida deixa de embaraços
Anseia por outros sabores
Novos voos
Na tensão da vontade
Que não se esgotou!


Autoria:RozeMeire dos Reis

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Entre as placas de neon

 





 
Meus olhos cansados percorrem as ruas da cidade
com a dureza de suas pedras
sem ar circulante
que se pensam belas
porque têm espelhos dourados
e luzes ofuscantes
nessa cara de sábado, esmagada
entre as placas de neon.

Meus ouvidos  sensíveis se perdem nos labirintos
dos ruídos vorazes

de incessantes afazeres
dos homens e suas máquinas
desfilando peitos espumantes
vazando iras inflamáveis
nessa cara de domingo, esmagada
entre as placas de neon.

Minha alma menina teme a cidade
 com a frieza dos homens de pedra
com suas mãos de traição
com seus ruídos de morte
e cheiros de gases amortecedores.
Quem? Quem? Quem?
Eles têm os mesmos olhos
a mesma tez
e andam lado a lado
com os corações de algodão
de doçura cega, surda e calada
pela fúrias dos sons e das luzes espelhadas
nessa cara de segunda, terça, quarta...
sombreadas,
pelas placas de neon!

( porque tem dias em que, nessa selva de pedra, a gente experimenta o melhor e o pior do bicho homem!).
Rozemeire Reis